Muita gente tem vontade, mas morre de medo de dar o cu, porque acha que vai sentir dor, porque é difícil e não sabe como começar. Pensando nisso, separei dicas valiosas para você começar a praticar sexo anal. Sem medo, sem vergonha e com muito tesão, vamos aos macetes.

Dica 1: Não comece com um pau

Emme White - brincadeiras anais gif 5

Para começar a dar o cuzinho, é muito importante explorar o próprio corpo. Não dá para sair enfiando as coisas, como se fosse fácil assim. Para se acostumar, é interessante interagir com a região durante aquela siririca molhada, aquele momento de você consigo mesma. Então, enquanto está no seu momento masturbação, vai massageando região, começa penetrando a pontinha do dedo, passa lubrificante e vai experimentando, para que você descubra suas preferências.

PS: Se você não se masturba, a Margot precisa te dar um conselho de amiga! Começa agora!!! Explorar o próprio corpo e se conhecer é essencial para que qualquer prática sexual seja mais prazerosa para você. Afinal, todo mundo quer gozar no final, né non?

Dá um olhada na Dread Hot e as atrizes Mel Fire, Mia Linz, Mia Cherry e Gween Black.

Dica 2: Faça a chuca

O maior medo das mulheres que querem fazer anal é passar o cheque, ou em um vocabulário mais chulo, cagar no pau. Para que isso não aconteça, é importante que você esteja preparada.

E o que é fazer a chuca? Chuca é uma lavagem retal para eliminar qualquer surpresa que você pode ter no ato sexual. Ou seja, você injeta água pelo ânus, e a expele. Deve-se fazer isso algumas vezes, até que a água saia limpinha. Se saiu tudo limpinho, tá tudo certo e você está pronta.  

Margot intervém: é muito importante que você faça o ato com alguém que confie, pelo menos a primeira vez, para que se alguma coisa inesperada acontecer, você não se sinta tão constrangida e nem o parceiro te recrimine. Acidentes acontecem e como diz a Emme White, do cu não saem flores!

Dica 3: Esteja relaxada

Dia do Orgasmo - gif
Dia do Orgasmo – Safada.TV

Relaxamento é a palavra chave do sexo anal. Isso porque na anatomia do cuzinho, temos a portinha que tranca tudo, o esfíncter. Temos dois desse, o interno e o externo. O interno tem movimento involuntário, já o externo é possível controlar. Dessa forma, se você conseguir manter a portinha externa relaxada, é mais fácil que o corpo relaxe também a interna.

Porque falei disso? Porque ninguém faz nada de cu trancado! Se você estiver desconfortável, estiver pensando em coisas aleatórias ou estressada, tudo isso pode gerar ansiedade que, simplesmente, deixa a região contraída, o que dificulta a penetração.

Ah, beleza, Margot, mas se eu estiver assim na hora, o que eu posso fazer? Bem, a respiração é uma técnica interessante para se pôr em prática, uma vez que inspirar e expirar de maneira lenta faz seu cérebro entender que você está relaxada. Outra coisa que pode ser feita, segundo alguns sexólogos como Cátia Damasceno, é abrir a boca e massagear o maxilar. Técnicas bem simples que te ajudam a liberar esse cuzinho.

Mas, para estar bem relaxada mesmo e não precisar destrancar o cu, as preliminares são essenciais!

Dica 4: Capriche nas preliminares

Capoeira fazendo oral na Patricia Kimberly

Ah, mas porque tem que chupar buceta se vai colocar é no cu? É o seguinte: as preliminares são relaxantes e estimulam a excitação. Portanto, tem que chupar buceta sim! Não só a buceta, o cuzinho também. Então, antes de ir para os finalmentes, é importante beijar muito, acariciar o corpo, estimular as diversas partes erógenas do corpo, como os mamilos e o clitóris, por exemplo.

Lubrificação é imprescindível, pois a região não tem lubrificante natural. Então, um beijo grego vai bem, né! Revezar a chupadas entre a buceta e o cuzinho é bem legal para excitar a parceira. Enquanto faz sexo oral, massagear a região anal com o dedo é uma boa também. Sendo assim, tudo fica muito mais fácil com uma boa chupada.

Além da ajuda das chupadas, você pode usar lubrificantes à base de água para diminuir o atrito e não doer. Agora, para amaciar o cuzinho para tudo entrar conforme o esperado, tente ir colocando o dedo, usar brinquedinhos menores ou até mesmo um plug anal. Com isso, o cuzinho vai acostumando e laceando.

E lá vem os finalmente!

Dica 5: Vá com calma na penetração

“Pau meia bomba não come cu” – Emme White

Primeira coisa para que o sexo anal seja feito de forma prazerosa, é ir devagar e com calma. Eu sei que você assiste os vídeos da Mia Linz, Emme White e Elisa Sanches e acha que é só chegar e colocar. Mas, não é bem assim. As cenas têm cortes que não mostram toda a preparação das atrizes antes de gravar.

Capoeira penetrando o cuzinho da Emme White

Parte importante: a mulher tem que estar no controle! Bom, vamos supor que você já está bem relaxada, já passou pelas preliminares, já fez a chuca. Agora, bem devagar você deixa penetrar a cabecinha. Homens, só a cabecinha, respeitem, porque pode doer muito se for tudo de uma vez. E com calma você deixa penetrar cada vez mais. Assim que o pênis entrar por completo, espere algum tempinho para que o cuzinho se acomode.

Se a mulher estiver pronta, aí dá o ok para o parceiro ou parceira começar a fazer os movimentos que todos sabem. Tira, põe e é isso. E para que tirar e pôr seja possível, o pau tem que estar bem duro, viu.  Comer cu não é para qualquer um, justamente porque a região é mais rígida do que a vagina. Portanto, se o pau estiver meio mole, não vai rolar nada nesse cuzinho!

Bunda da Danny Manccini - 100% anal

Outra coisa que geralmente se tem dúvida, são as melhores posições para dar o cu. Bom, para quem está começando, é importante saber quais as posições são mais confortáveis para você e as que te deixam mais relaxada. De acordo com isso, as mais indicadas são de ladinho, a mulher sentando, porque assim ela fica no controle, e de bruço.

Margot Adverte

É sempre bom lembrar que toda e qualquer prática sexual deve ser consentida, senão é configurado crime. Outro importante ponto é a proteção. Usar preservativos é essencial!  E como no cu não engravida, as pessoas tendem a relaxar com relação à proteção. No entanto, a região anal é muito vascularizada, podendo ter grandes chances de pequenos rompimentos de vasinhos ou veias, o que se torna propício para a disseminação de infecções sexualmente transmissíveis.

Ou seja, camisinha na mão e consentimento, a brincadeira está liberada. Agora, vai pôr em prática tudo que você aprendeu e depois me conta tudo!

Sobre o Autor

Uma mulher em construção com a cabeça em algum lugar do universo.

Visualizar Artigos